Educação Física no Ensino Híbrido: ideias e desafios para o educador
26/03/2021
Tempo estimado de leitura: 3 minutos



São muitas as transformações na Educação, aceleradas pela pandemia. Professores de todas as disciplinas estão se reinventando para integrar on e off-line. De tal forma que a Educação Física no Ensino Híbrido também demanda um olhar atento.  

Antes de mais nada, cabe lembrar que a disciplina é componente curricular obrigatório (Lei nº 9.394/1996) e promove a saúde física e mental dos alunos.

O que você vai ler aqui sobre Educação Física no Ensino Híbrido: 

  • Os desafios da Educação Física no Ensino Híbrido.
  • Educação Física além da prática esportiva.
  • Participação dos pais na Educação Infantil.
  • Motivação na Educação Fundamental.
  • Protagonismo do jovem na Educação Física.

Desafios com recursos on-line no Ensino Híbrido

O Ensino Híbrido é uma forte tendência que vem se consolidando. Mescla aulas presenciais com plataformas e ferramentas digitais. Na pandemia, as aulas remotas foram uma experiência importante para conhecer o lado on-line do Ensino Híbrido.

Esse “laboratório” instigou o professor a desconstruir metodologias. Nesse sentido, surgiram novas maneiras de desenvolver as habilidades cognitivas, motoras e sociais dos alunos, sem o contato presencial. 

Mas como ensinar Educação Física com o grupo interagindo fora do espaço físico da escola? E ainda: incluindo a tecnologia? É o que você verá a seguir nas ideias para colocar em prática.

Os estudantes são nativos digitais, sendo assim, o uso de ferramentas tecnológicas nas aulas pode até fazer mais sentido. Entre os desafios, está o de mostrar para pais, alunos e gestores que Educação Física é muito mais do que ensinar atividades esportivas. Além disso, é inegável o desafio de manter a disposição dos alunos e torná-los protagonistas nesse novo método.

Educação Física além da prática esportiva

A Educação Física pode explorar temas significativos e transformadores, como cidadania e qualidade de vida. Dessa maneira, se aproxima da realidade dos alunos, do que existe em seu entorno e do momento em que eles estão vivendo.

Com uma trilha que contempla informação, pesquisa, diálogo e atividade física, o estudante pode ver mais sentido em sua aprendizagem. Então, elabore uma proposta com várias etapas a serem trabalhadas no presencial e no on-line. 

Educação Física no Ensino Híbrido: Educação Infantil

Aulas on-line: as possibilidades de propostas aumentam e ainda ganham a participação dos pais. Portanto, é uma oportunidade para eles de aumentar a conexão com o filho e de brincar com a orientação de um educador.

Proponha exercícios corporais para fazerem juntos, além de atividades em que a criança explore objetos que tem em casa. Pense em garrafas de plástico, baldes, latas, colher, barbante e fita adesiva. Resgate brincadeiras da infância dos pais, como pular elástico ou amarelinha. 

O que acha de fazer uma curadoria de conteúdos educativos on-line e indicar para a família? Nesse sentido, recomende uma playlist de músicas para movimentarem o corpo ou sugestões de aplicativos gratuitos de ioga para crianças.

Aulas presenciais: a energia da criança pede movimento e ambiente de exploração. Com pequenos grupos, respeitando os protocolos de segurança, promova interações e brincadeiras. Mímica, dança, estátua, esconde-esconde e “o mestre mandou” sempre funcionam.

Nas atividades presenciais, os pequenos aprendem a compartilhar com o outro e a respeitá-lo. Do mesmo modo, conhecem as próprias emoções, necessidades e limites corporais.

Educação Física no Ensino Híbrido: Educação Fundamental

Anos iniciais: as aulas de Educação Física são interessantes para despertar o aluno construtor. Que tal propor que cada um construa seu equipamento esportivo em casa e leve para a aula presencial? Pode ser desde uma simples bola de meia ou algo que eles ainda não tenham visto na escola.

Você já ouviu falar do Futsac, esporte brasileiro que nasceu em Curitiba-PR? Usa uma pequena bola de crochê e lembra bastante o futevôlei. Os alunos podem fazer pesquisas on-line para conhecerem mais, descreverem as regras da modalidade e praticarem os movimentos.

Também existe o Zaccarobol, ou Zbol, que o educador físico Sérgio Zaccaro criou em 1990. Ele se inspirou no tênis, mas alterou a raquete. No Zbol, ela não tem cabo e sim um elástico que prende na mão.

Anos finais: trabalhe com temas transformadores. Por exemplo, elabore um plano com aulas presenciais e on-line abordando o sedentarismo. 

Por que é um problema de saúde pública? Como afeta a saúde e como evitar? Se possível, apresente um especialista no assunto para conversar com os alunos no presencial ou no on-line, e proponha uma rotina de exercícios físicos.

Os alunos poderão identificar o quanto o tema faz parte da realidade deles. Dessa maneira, terão uma experiência de aprendizagem significativa, mais consciente e propulsora.

Educação Física no Ensino Híbrido: Ensino Médio

Quanto mais os alunos se reconhecem no conteúdo, mais motivados estarão para buscar conhecimento. Por isso, é importante trazer a cultura do entorno, temas que lhe interessam e a liberdade para usarem recursos digitais com criatividade.

Ao estudarem sobre hip-hop ou capoeira, por exemplo, os estudantes têm um universo de conhecimento que passa por questões históricas, culturais e sociais. São várias camadas para serem exploradas, portanto amplia a visão dos alunos. 

Pode resultar em um clipe, videodocumentário, podcast ou ação com a comunidade.

Gostou de ler este conteúdo? Compartilhe como sua escola trabalha a Educação Física no Ensino Híbrido. Para saber mais sobre o universo da Educação, acesse outros artigos do Blog da Conquista e nossos perfis no Facebook e Instagram.. Fale com nosso consultor e faça parte da solução educacional que conquistou o Brasil!

Leia também: Como motivar o aluno no Ensino Híbrido

Posts Relacionados: