7 dicas para manter a saúde física e mental de professores durante o isolamento
20/04/2021



O cenário e a rotina no ambiente escolar normalmente já trazem desafios diários aos educadores. Com a pandemia provocada pela Covid-19 e o isolamento social imposto a escolas e famílias brasileiras, a mudança brusca nas atividades, a sobrecarga de trabalho e a exigência de produtividade e resultados têm contribuído para um dia a dia ainda mais atribulado às escolas. O resultado? A saúde física e mental de professores bastante comprometida.

Altos níveis de estresse, ansiedade, insônia, sentimento de impotência e frustração por expectativas não alcançadas estão entre os sintomas mais comuns relatados por eles desde que as aulas presenciais foram suspensas e substituídas pelo trabalho remoto. Além dos compromissos profissionais, as tarefas domésticas e o cuidado com os filhos – que também estão em quarentena em casa e precisam cumprir com suas aulas e práticas escolares –, completam o excesso de trabalho diário da maior parte dos professores.

Diante desta realidade, mais do que nunca é necessário que as escolas voltem sua atenção e esforços para auxiliar os educadores a retomarem sua qualidade de vida. Mas de que maneira isso é possível?

Para ajudar nesta missão, selecionamos as principais recomendações e dicas de especialistas sobre atividades e hábitos importantes que podem contribuir para a saúde física e mental dos professores. Confira quais são elas e aproveite para indicá-las à sua equipe pedagógica!   

1. Defina e mantenha uma rotina

Diante de tantos compromissos diários em casa, é essencial que o professor estabeleça uma programação de atividades. Nela, deve-se listar quais são as prioridades para aquele dia e o horário para cada tipo de atividade. 

Além do trabalho e tarefas domésticas, é necessário separar momentos voltados para o lazer e descanso. Dessa forma, é possível cumprir com o que foi planejado sem exceder o horário de trabalho e se sobrecarregar. 

Se possível, separe de 15 a 30 minutos diários para se alongar antes e/ou depois de períodos longos de uma atividade.

2. Pratique atividade física

São diversos os benefícios trazidos pela prática de exercícios físicos. Neste período de sobrecarga de tarefas e ansiedade provocadas pelas incertezas do momento, movimentar o corpo promete uma melhora relevante ao bem-estar emocional. 

Mesmo em casa, há diversas opções de atividades on-line, sejam individuais ou em grupos. Basta escolher a que mais se adapta ao seu perfil, separar um espaço em casa e colocar o alarme no celular para avisar sobre a aula. 

Exercícios de alongamento, respiração e meditação também devem entrar nesta rotina. 

3. Separe momentos para o descanso e o lazer

Pode ser ler um livro, escutar música, ouvir um podcast, cuidar do jardim, cozinhar. Ou, simplesmente, esticar as pernas e tirar uma soneca. O importante é priorizar este tempo para o corpo e, sobretudo, para a mente, relaxarem. 

Em tempos de distanciamento, fazer uma chamada de vídeo para alguém da família ou um amigo também traz sentimentos de satisfação e calma. Assim como ajudar um vizinho ou participar de ações sociais, mesmo que distante fisicamente. É a chamada conexão afetiva, com você e com o próximo.

4. Tenha atenção às expectativas

Seja em relação aos compromissos e metas profissionais ou às atividades domésticas e com a família, é indispensável compreender as dificuldades do cenário de pandemia, conhecer as suas próprias necessidades e capacidades e reduzir as expectativas diariamente. 

Além disso, é preciso entender e aceitar que está sendo feito o que é possível para este momento tão atípico para todos. Dessa forma, evita-se sentimentos de frustração, impotência, incapacidade para cumprir com a rotina em casa.

5. Compartilhe dificuldades e sentimentos

Pode ser com colegas de trabalho, amigos ou familiares, o importante é dividir ideias, aprendizados, dificuldades e sentimentos. Compartilhar essas experiências pode trazer satisfação e tranquilidade, já que se tem a certeza de que não se está sozinho nesta jornada. Assim, todos aprendem e ensinam, troca fundamental em tempos de preocupações e incertezas na rotina de todos.

6. Cuide do que pensa e lê

Estar atento aos pensamentos pode ser um grande aliado para a saúde mental. Em um cenário de excesso de notícias e acontecimentos negativos e preocupantes, é recomendável se atualizar por meio de fontes de informação confiáveis e na quantidade suficiente para manter-se bem informado. Dessa forma, torna-se mais fácil evitar o acesso a fake news e reduzir a ansiedade e o medo, comuns neste período de pandemia e isolamento social.

7. Esteja atento a sinais e procure ajuda

Cansaço extremo, irritação, perda ou excesso de apetite, falta de vontade frequente e melancolia, entre outros, são alguns sintomas que confirmam a necessidade de ajuda para o corpo e a mente. Mesmo em período de distanciamento, há como procurar ajuda especializada com psicólogos, terapeutas e outros profissionais, em sessões on-line. Caso perceba que algum sinal está aumentando ou saindo do controle, busque auxílio e evite a automedicação. 

Gostou desse post? E na sua escola, de que maneira a diversidade e a inclusão social têm sido abordadas com os alunos? Conte para a gente aqui nos comentários. Para saber mais sobre este e outros assuntos, continue aqui no blog, acesse o Guia da Conquista, nosso Facebook e Instagram